Copa de 1982

Copa de 1982
Lembranças da Copa do Mundo de 1982: veja o artigo que escrevi sobre o melhor mundial de todos os tempos

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Agradecimento especial

Ao Mestre Lancellotti que colocou a entrevista de Botões para Sempre em seu Facebook:
A postagem no meu blog já ultrapassou 1.000 visitas em menos de 24hs.
Muito obrigado, Mestre! Eu que agradeço toda essa generosidade.
Abraço fraterno, Bucci

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Exclusivo! Entrevista com Sílvio Lancellotti

Cucina, Calcio e Bottone!
 Por Ricardo Bucci
Botões para Sempre teve a honra de entrevistar Sílvio Lancellotti. O papo não poderia ser outro: o nosso amado futebol de botão. A bolinha, a batedeira e os nossos botões, pequenos guerreiros em miniatura, sempre estiveram presentes na vida do escritor, arquiteto, gastrônomo e jornalista. Conheci o Mestre há dezessete anos atrás no extinto portal de cultura & gastronomia ‘Passaporte Brasil’. Naquela oportunidade a conversa descontraída foi envolta sobre as massas italianas, como os tortellini de Bologna.
Agora o nosso amado esporte, isto é, o ‘velho’ futebol de botão esteve em pauta. Lancellotti teve a questão de logo enfatizar no começo da conversa: “Sou dos tempos dos botões com os distintivos marcados na prensa. Depois, fabriquei os meus próprios, a partir de fichas do 'Café Paraventi' e da loja 'Ás de Ouros'. Goleiros perpetrados com moldes de chumbo. Sem falar dos encomendados na Brianezi”.
Voltemos ao túnel do tempo. Todos que admiram a história do futebol devem recordar-se. No fim dos anos 80 era tradição nas manhãs de domingo ligar a TV, especificamente na Band (na época chamávamos de Canal 13 aqui em São Paulo) e assistir ao vivo o ‘Calcio’ (Campeonato Italiano) durante o ‘Show do Esporte’, idealizado pelo saudoso Luciano do Valle. Em meio à macarronada fantástica de minha nonna napolitana Maria Casciello que fazia como ninguém suculentas pastas, assistia as grandiosas transmissões esportivas capitaneadas por Sílvio Luiz na narração. Os comentários eram estrepitosos. Regados com ‘pitadas’ gastronômicas de Giovanni Bruno, o querido e inesquecível ‘Anarello’, o maior ícone gastronômico que a cidade de São Paulo já teve e ele, Sílvio Lancellotti. Lembro-me também perfeitamente que meu saudoso avô paterno Oswaldo Bucci pulava de emoção quando seu querido Napoli fazia mais um gol: “Carecone”!, gritava meu nonno, apelido do craque brasileiro Careca na Itália.
O futebol italiano vivia um momento glorioso, depois da conquista da Copa da Espanha de 1982. Era o mais badalado do planeta. Grandes ‘squadras’ do Calcio desfilavam nos gramados. Jamais podíamos esquecer do Napoli, paixão de Giovanni Bruno, de minha nonna e de meu nonno Bucci. Maradona, Careca e Alemão deixavam os apaixonados torcedores no estádio San Paolo literalmente 'malucos'. No Norte da ‘velha bota’, uma expressão que, aliás, Lancellotti sempre gostou de usá-la, o trio de holandeses do Milan (Rijkaard-Gullit-Van Basten) faziam a bola rolar com mais genialidade. A Juventus de Turim ("La Vecchia Signora"), uma das maiores paixões de Lancellotti, tinha gênios como Platini e Boniek que brilharam na Copa da Espanha. Sem contar com o talento de Mancini, Cerezo e Vialli na Sampdoria. Ou dos alemães Brehme, Matthaüs e Klinsmann na Internazionale. E de tantos outros craques e esquadrões.
Lancellotti era ávido por qualquer informação nas partidas do Calcio. Telefonava para a ‘bella’ Itália, em busca das novidades. Isso, numa época em que não existia a Internet e as ligações eram dificílimas. Assim ele conseguia chamar a atenção dos telespectadores com minuciosas informações sobre os jogos, atletas e peripécias do futebol italiano. Além de seu extenso conhecimento sobre as cidades e os pratos típicos de cada região. 
Seu filho mais velho, o Dado, hoje um publicitário de renome, adorava o futebol de botão. “Nós montávamos gigantescos campeonatos em nossa casa. E, para que tivéssemos um mínimo de realidade, eu comecei a colecionar muitas publicações, principalmente da Itália. Ficamos especialistas amadores do futebol internacional”, relembra. Quando Luciano do Valle convidou-o a comentar o Calcio, em 1984, foi quase fácil, por causa do extenso arquivo que seu filho e ele haviam conquistado.
 "Luciano do Valle fez de mim um comentarista esportivo", salienta Lancellotti
A ‘veia’ siciliana e sua trajetória
  A família italiana de Lancellotti
A torcida apaixonada do Palermo, na Ilha da Sícilia
Concebido em Palermo, na Ilha da Sicília, mas que veio ao mundo na cidade de São Vicente/SP em 1944, Lancellotti iniciou a sua carreira, nos dois ofícios (arquitetura e jornalismo), simultaneamente, em 1968. Até 1977, projetou residências, edifícios de moradias ou de escritórios, agências bancárias, instalações esportivas, escolas públicas, mais de 200.000m2 de área construída. Então, já com passagens pelas redações de Veja e de Vogue, aderiu ao time pioneiro de Mino Carta em Istoé, como secretário de redação e como editor-chefe.
Lancellotti ajudou a fundar, ao lado do ítalo-brasileiro, Mino Carta, a revista Veja. Em 1968, integrou a equipe que fundou a revista, em uma época que certas opiniões sofriam com o poder da censura. Ainda na mídia impressa, foi redator-chefe da Istoé, diretor de redação da revista Vogue e colaborou com os maiores jornais da capital paulista, o Estado de São Paulo e a Folha de São Paulo.

Abandonou a régua-T e se dedicou exclusivamente à profissão de jornalista — e, inclusive, se especializou em gastronomia. Na Folha e no Estadão, implantou, com sucesso, um estilo divertido de escrever receitas e de analisar restaurantes. Apresentou, na TV Record, e em outras emissoras, perto de 6.000 programas destinados à culinária.

Jornalista, Arquiteto e um exímio Gourmet
No percurso, lançou dezenas de livros entre culinária, romances e esportes. Honra ou Vendetta, por exemplo, mereceu uma esplêndida adaptação de Lauro César Muniz, na Record, na novela ‘Poder Paralelo’.
Mestre Lancellotti: "Em toda minha trajetória como jornalista, os seus brilhantes livros de culinária me serviram como fonte e pesquisa gastronômica dos pratos e, sobretudo, das massas italianas. Estão aqui PARA SEMPRE EM MINHA COLEÇÃO!", Um abraço fraterno, Ricardo Bucci
Ainda, lançou seis livros a respeito do Esporte, como o volumoso compêndio “Olimpíada – 100 Anos”, com a história integral dos Jogos, prova a prova, desde 1896. O jornalista e critico gastronômico carrega em sua bagagem sete Copas do Mundo e cinco Jogos Olímpicos, além de outras diversas experiências dentro e fora do país. São quase três décadas de dedicação ao futebol italiano. Além de cuidar dos comentários das partidas na Band, nos anos 80, passou também pela TV Manchete. No final de 2011, lançou Em Nome do Pai dos Burros, um romance polêmico e muito elogiado.


Coberturas de Copas do Mundo de Lancellotti 
Em 2012, Lancellotti se despediu dos canais ESPN no ar, durante a final da Copa da Itália entre Juventus e Napoli. Na ocasião, ele anunciou que ganharia um blog no portal R7. O blog “Copa & Cozinha” (link: http://esportes.r7.com/blogs/silvio-lancellotti/) é um site bem diferente do convencional. Ostenta seções diversas — algumas renovadas diariamente; outras, semanalmente. Exibe frases que coletou, fala sobre fatos pontuais, recorda experiências de Olimpíada e de Mundiais de futebol, compartilha as suas experiências na culinária, aconselha os mais jovens e ainda revela as suas predileções musicais.
Bom, agora vamos nos deliciar com a entrevista exclusiva do Mestre ao blog Botões para Sempre.
Botões para Sempre: Foi o senhor que influenciou seu filho, Dado Lancellotti, a gostar do futmesa? Caso positivo como surgiu sua paixão e ‘veia’ botonística?

A minha paixão vem da infância, data dos anos 50, quando meus pais me deram os primeiros times, ainda de plástico duro, os distintivos gravados por pressão na superfície. Aliás, eram botões irregularíssimos. Não havia um igual ao outro. Jogava com meu irmão, o saudoso Gigio, e com os meus pais, os inesquecíveis Helena e Eduardo...


BPS: Fale um pouco sobre seus primeiros botões. Qual foi o primeiro time (ou os dois primeiros que apareceram em sua casa), como e quando conseguiu adquiri-los e com quem praticava o jogo.

Logo depois, com uns dez de idade, comecei a me interessar mais. Já existiam botões melhor industrializados, aqueles em que círculos plásticos, como lentes de contato, prendiam os distintivos – no caso, de papel. Jogava com o Gigio, com parentes, vizinhos, colegas de escola. Eu tinha vários times do Corinthians, o Gigio vários do Palmeiras. Um primo querido, o Adelino Pimentel, era então muito mais avançado. Ele usava fichas de jogo, as distribuídas pelo ‘Café Paraventi’ e as compradas na loja ‘Ás de Ouros’. Uma trabalheira deliciosa. Lixávamos as fichas cuidadosamente, até que ficassem super-lisas. E ainda fazíamos as quinas nas bordas, menos inclinadas para os zagueiros, médias para os apoiadores, delicadíssimas para os atacantes, de modo que pudessem encobrir os arqueiros. Que, aliás, nós também fazíamos com chumbinhos de peso de varas de pescar. Colocávamos os chumbinhos num molde e daí martelávamos até que tudo ficasse homogêneo. Com as fichas e os arqueiros de chumbinho eu criei um esquadrão que ficou invicto por mais de duzentas partidas. Era lindo, de escalação fictícia: Batman (azul escuro com uma figura do herói coladinha), Napoleão (branco), Celestino (azul clarinho), Garrastazu (vermelho, muito anterior ao general que virou presidente) e D’Orange (alaranjado); Clausewitz (amarelo gema) e Lancelot (amarelo clarinho); Luzeiro (verde clarinho), Mohammad (azul brilhante), Júpiter (rubro vivo) e Xixi (óbviamente, da cor do próprio). Eu também produzi a minha própria mesa, de compensado que encerava manualmente; as traves, as bolinhas etc.

BPS: Li um artigo brilhante na Folha de SP, em 2010. Ali o senhor relata que visitava a lojinha da saudosa Brianezi que ficava no bairro paulistano do Belenzinho. Quais são as maiores recordações que teve do local? 

Quando o meu filho Dado tinha uns oito anos, começou a praticar Futebol no Esporte Clube Pinheiros. Atuava no time dirigido por um grande amigo meu, o Rubens Tavares Aidar, que mais tarde se tornaria Presidente do Tribunal do Trabalho no Estado. O Luís Felipe, filho do Rubinho e hoje meu advogado, também integrava o time. Numa festa de aniversário do Dado, o Luís Felipe apareceu com os primeiros Brianezi que o meu bambino teve, Corinthians, é claro. Pacientemente eu datilografei os nomes dos atletas do Coringão, aquele com Sócrates e Palhinha, em tiras de papel autoadesivo, e colei nos botões. Daí, aconteceu uma explosão. Eu colecionava a revista “Guerin Sportivo”, da Itália, que costumava publicar páginas com miniaturas dos “scudetti”. Levava à Brianezi e encomendava botões do Calcio, do Futebol Argentino, do mundo todo, enfim, assim como botões das seleções que disputavam a Copa. Recordo que no fundo da loja, num reduto escuro, aconteciam diversos campeonatos de botão.


 "Pacientemente eu datilografei os nomes dos atletas do Coringão nos Brianezi"


BPS: O senhor teve contato com os proprietários da fábrica, inicialmente com Paulo Brianezi (in-memorian) - fundador que registrou a fábrica em 1972 -, depois com o filho dele, Lúcio Brianezi?

Muito contato. Ficamos bastante amigos. Frequentemente eu levava a ele sugestões de clubes que a Brianezi pudesse transformar em botões. O Dado tem os dele até hoje, armazenados e guardados cuidadosamente em sua coleção. Creio que cerca de duzentos clubes e seleções diferentes, alguns com uniformes que nós personalizávamos ao nosso jeito.

Brianezi do Cosmos da edição de Luxo em 50mm: coleção particular da família de Lancellotti
Botafogo/RJ no modelo 'duas faixas' da Brianezi do final dos anos 70
BPS: Comente sobre os lendários botões Brianezi. O senhor ainda guarda-os em sua coleção? E qual foi o primeiro time que o senhor comprou da fábrica.

Lendários, mesmo. Ficaram todos com o Dado e, hoje, com o meu neto Dudu. O primeiro que eu encomendei à Brianezi foi um da Juve de Turim.


Juventus de Turim e o querido Palermo: duas grandes paixões de Lancellotti
BPS: Quantos jogos de botões aproximadamente o senhor possui. E qual é o mais antigo e que tem a sua maior admiração.

Ainda guardo, apenas, aquele das fichas que eu mesmo produzia. Vai ser cremado comigo (rs).


BPS: A Brianezi encerrou suas atividades no final de 2001. O colecionismo neste segmento ficou mais órfão com o fim da produção dos jogos?

Desafortunadamente os eletrônicos venceram essa batalha.

Artigo sobre Futebol de Botão na Folha, em 2010, escrito por Lancellotti
BPS: Quais eram suas maiores preferências no universo do botão? Jogar com times nacionais, estrangeiros ou seleções?

Fazíamos campeonatos, de acordo com as épocas. Paulista, Brasileiro, Italiano, Mundial e muitos outros.
BPS: O senhor é referência no país quando o assunto é Calcio italiano. Isso de certa forma teve alguma relação com o gosto de praticar o esporte?

A minha paixão pelos botões é muito anterior ao meu trabalho com o Calcio, e com o Futebol do Mundo em geral. Quando eu comecei a colecionar publicações internacionais sobre o Futebol, claro, de certo modo se reavivou o meu gosto pelos botões.

BPS: Na TV brasileira o senhor ficou marcado por comentários esportivos que sempre eram ‘recheados’ de curiosidades das cidades italianas, além dos pratos preferidos de cada região. Gostaria que imaginasse que o Avellino Calcio, time que tenho afeição pela minha descendência napolitana, entrasse em campo para enfrentar outra agremiação. O que o senhor nos contaria de interessante dessa ‘squadra’ que nos anos 80 apresentava em seus quadros os nossos brasileiros Juary e Dirceu?

Avellino, “vicino” a Napoli, região da Campânia. Estive lá. Talvez uns 55.000 habitantes. “Comune” fantástica cercada de montanhas. Tem vários museus dedicados à Zoologia.

BPS: De onde veio a inspiração de criar o termo ‘velha bota’?

Ah, não criei eu, não. (rs). Isso é coisa muito antiga.

BPS: Uma pessoa que me marcou demais pela humildade e caráter foi meu saudoso amigo Giovanni Bruno. O senhor teve a honra de trabalhar ao lado dele nas partidas. Qual foi a maior lembrança que teve do querido ‘Anarello’?


Ah, são infinitas...Na sua Cantina ‘Il Sogno di Anarello’, inclusive, era normal que eu fizesse dueto com ele em canções napolitanas.

BPS: O futebol de botão acabou ou ainda poderá ser amado PARA SEMPRE?

Infelizmente, virou coisa de arqueólogo.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Lote 16 - Fla 'duas faixas' de 1977 - celulóides flexíveis

O time que meu pai comprou no fim dos anos 70 e fez a primeira partida contra meu irmão na mesa Colunão. Oh, saudades! Completíssimo.
Tem peças ainda do meu pai compradas em shoppings em fins dos anos 70, nesse estojinho azul da Brianezi

Em breve! Lotaço de quase 70 raridades antigas dos anos 60 e 70 em uma caixa de madeira de 3Kg de botões

Botões para Sempre continua com os lotes e deverá ser acompanhado de uma caixa de madeira que entrou para a coleção pesando 3kg, na balança. Vieram quase 70 times, todos completos, de marcas diversas: Estrela de carinhas 'canoinhas', Estrela de panelinhas com 'escudos, de times raros do Nordeste que realmente me surpreendeu, Jofer de escudos dos anos 70, Jofer 'Craks da Pelota', de 'carinhas', de 1970, Penas de Aço Brasil, dos anos 60, da antiga 'Guanabara', do RJ, mais de 30 times Bolagol, tudo completo com goleiro de escudo, com goleiro de 'carinha', além dos Brianezi nobres das primeiras edições que os seguidores vem acompanhando: 45mm, raros e especiais, em caixas de berços verdes maiores, 50mm, luxuosos, celulóides de 1972, e os tradicionais 'duas faixas'. 
Desculpem pelo tempo curto, todavia teremos postagens dos times e suas histórias, pois aqui em Botões para Sempre é a busca incessante da verdade em primeiro plano.
 caixa de madeira do antigo colecionador: raridades, muitas surpresas que iremos desvendar.
O lote é em homenagem aos 'Picaretas', exploradores e oportunistas de plantão, que adorariam desmembrar tudo isso aí, como eu desmembrei. Só que os pilantras iriam vender separadinho, por 300 a 350 cada exemplar.
Botões para Sempre fez a conta.
Coitados. Deu pena agora dos senhores 'atravessadores'.
Deixaram de faturar 21.000 reais se fosse 300 reais cada time. Ou 24.500 reais caso 350,00 cada jogo.
O Natal seria recheado de peru, bacalhau e caviar. Só que Botões para Sempre preza geladeira vazia em  desonesto que tem demais nesse país corrupto desde as Capitanias Hereditárias, basta ver o que ocorre no Poder Executivo. O que falar de pseudo-vendedores que ficam a cada minuto atrás de um celular para ver se entrou $ em conta bancária? e ainda embalar pacotes mal cheirosos, com pedaços de pizza dentro, que já recebi, ou até de caixinhas de antibióticos, que também já recebi, com botões dentro? que podridão, que trabalho nojento.
Dica de Botões para Sempre: Aproveitem agora o final de ano: vendem garrafinhas de água nos semáforos, pois o calor nas grandes cidades tá infernal. Vendem água de coco na praia, ou conquistem uma vaga de gari, profissões BEM MAIS HONROSAS e que dou muito valor, DO QUE METER A FACA EM GENTE DO BEM, QUE QUER SE DIVERTIR, E NÃO FICAR POBRE SUSTENTANDO '171'.

sábado, 14 de outubro de 2017

Lote 14 - Portuguesa de Desportos - Brianezi 1972-76 - celulóides impecáveis

Esse exemplar tem o tamanho dos botões em 42mm, ditos convencionais e feitos em celulóides flexíveis de material importado do Japão. O goleiro no começo vinha com uma faixa diagonal, esta já desgasta pela ação do tempo.
Correm demais. Sem empenamentos. Parabéns para a família Brianezi!
E que a Lusinha querida volte a brilhar como nos velhos tempos do futebol de botão, pois o que fabricaram de botões maravilhosos desse esquadrão, tanto em botões oficiais como de 'carinhas', é algo sério.
Reforço de peso para meu Brasileiro de 2018. 

1973
Anos 70 e sua torcida no Pacaembu

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Lote 13 - Santos na edição 'luxuosa' de 'camisas' da Canindé 1970´s

Lote 13. No dia 13. E numa sexta-feira 13? Brincadeira?
Este sim é o acrílico que a fábrica da Vila Ema gostava tanto de falar na caixa: o 'único em acrílico'. Não outros exemplares que eles faziam, mais moles, malfadados e quebradiços.
Botões de brinquedos concorrentes do Bolagol, Estrela, Gulliver, Jofer, Tonibol, Sonaplast e outros.